sexta-feira, 27 de março de 2015

Enquanto houver sol...




















O chão gelado tocou meus pés contradizendo o calor do sol que entrou direto da janela do meu quarto para a minha cama.
Caminho até lá (são apenas dois passos) e me deparo com uma paisagem que mais parece uma pintura feita de aquarela.
Céu limpo, sol radiante, pássaros cantando alto e sobrevoando o segundo andar da minha casa e uma natureza perfeita diante de mim. 
Perfeita? Nada disso.
Tudo parece uma pintura de aquarela feita por uma criança que está começando a dominar a arte.
Perfeita. Isso mesmo que eu disse.
Nada de diferente neste dia de outono, que não tem cara de outono, aliás, tudo muito igual.
Depende de mim fazê-lo diferente e procurar algo que me faça bem e me deixe feliz. Nem que seja simplesmente quebrar as regras de um cronograma estudantil e vir até o meu blog ler pessoas que admiro, dividir com elas esta reflexão que escrevi pela manhã agora, em cima da hora de ir ao cursinho, criando assim, uma nova Categoria de bônus.
Nada de frases feitas ou pensamentos clichês.
Apenas esperança enquanto houver sol... Dentro de nós, principalmente.


















Mi F. Colmán




Quando não houver saída
Quando não houver mais solução
Ainda há de haver saída
Nenhuma ideia vale uma vida

Quando não houver esperança
Quando não restar nem ilusão
Ainda há de haver esperança
Em cada um de nós
Algo de uma criança

Enquanto houver sol
Enquanto houver sol
Ainda haverá
Enquanto houver sol
Enquanto houver sol

Quando não houver caminho
Mesmo sem amor, sem direção
A sós ninguém está sozinho
É caminhando
Que se faz o caminho

Quando não houver desejo
Quando não restar nem mesmo dor
Ainda há de haver desejo
Em cada um de nós
Aonde Deus colocou

Enquanto houver sol
Enquanto houver sol
Ainda haverá
Enquanto houver sol
Enquanto houver sol...

segunda-feira, 23 de março de 2015

Um mês depois...


Hoje, 22 de março, é um dia muito importante e feliz para mim. Comemora-se um mês de Rivotril com Coca-Cola, mas muito mais que isso, comemora-se um mês que decidi (re) começar tudo do zero. E mesmo agora, no finzinho da data comemorativa, não pude deixar de escrever um post e registrar aqui o meu contentamento.



Sou uma pessoa que sempre deu preferência antes de tomar uma decisão, a ser muito detalhista e observadora. Questionar, refletir todos os prós e contras possíveis antes de partir para a ação.
No entanto, tenho como característica o que minha mãe costuma chamar de "meus rompantes" que são momentos de intensa impulsividade e foram nestes momentos que tomei as melhores decisões de minha vida até agora, acreditem.
Porque pensar demais, leva à inércia.
Tudo indica que eu estava com um blog ótimo, estabilizado. Acredito que com muitas visualizações diárias (nunca me liguei nisso, por isso eu digo que "acredito"), com mais de 160 seguidores, recebendo muitos comentários e com certeza, além de uma excelente fonte de divulgação literária, poderia se tornar facilmente um negócio rentável.




Não se vive de passado, de "que pena!", de "porquês"  nem de "poréns", por isso, a Coluna da Mi foi oficialmente fechada hoje e breve, para o desespero dos contadores da blogosfera, o G+ será desativado. O post explicativo ficou um mês exposto ali, ninguém poderá reclamar que não foi avisado.

Estava satisfeita com o trabalho que estava desenvolvendo. Claro, natural, com algumas preocupações e arrependimentos, mas satisfeita.
O problema que estar satisfeita para mim é muito pouco. Eu estou sempre pronta, mesmo em situações que eu não queira, a ir além das minhas limitações.
Fico pensando... Se eu tivesse me deixado levar pelas preocupações de não ter mais um blog popular, de ficar escrevendo "para ninguém", imaginando que não tivesse uma pessoa que viesse a seguir minhas pegadas até aqui, este blog, do qual me orgulho tanto hoje, não teria existido.


E parte de mim também não.
Eu não estaria tão feliz com um blog como estou agora. 
Tenho certeza que o futuro deste blog, as pessoas com quem entrarei em contato, os comentários que lerei, os dias que virão (mesmo que alguns sejam só estudos) serão incríveis.
Porque somos nós que fazemos as coisas se tornarem incríveis ou não.
Eu estou fazendo com que minha vida seja incrível!
E afirmo com toda propriedade o quanto recomeçar do zero valeu muito a pena.

Um mês que de madrugada me matava por trabalhar em linguagem xtml para adquirir um bom layout.
Um més de gratidão a todos que estão aqui comigo. 
Um mês de muita coisa boa e surpreendente.
Um mês de Rivotril com Coca-Cola.


Mi F. Colmán

sábado, 21 de março de 2015

Vida real x Vida virtual


O trocadilho com o nome do blog na imagem foi só para descontrair. Mas na verdade, acaba sendo assim mesmo.
Temos nossas prioridades e opções, porém, é preciso ter em mente que não podemos, de modo algum, tratar como opção o que é prioridade.
Curioso que ao acessar o Facebook hoje li um experimento que foi (ou está sendo, não li a matéria, apenas o título) feito na Austrália, onde pessoas são desconectadas e "obrigadas" a viver a vida real.
É curioso como há essa separação ainda. 
Eu estou aqui, atrás do pc, escrevendo para muitas pessoas às quais não tenho ideia que irão acessar. 
Mas também estou escrevendo conscientemente para pessoas as quais já tenho um convívio e afinidade que sei que lerão e comentarão este texto. Seja pessoas que conheci através da blogosfera, o falecido Orkut que em paz descanse ou em algum grupo que eventualmente eu tenha conhecido do Facebook e ganharam minha confiança ao ponto de eu mostrar a elas o meu blog. 
Estou escrevendo agora exatamente para estas pessoas e não me restam dúvidas que são reais. 
Tudo isso é real! 
É tão real que, ao contrário do que chamam de "vida real" que quando eu "desapareço" ninguém está nem aí comigo, aparece alguém se mostrando preocupada com minha ausência. Como isso não pode ser honesto e realista?
Lógico que é.
O motivo de minha ausência, para alguns que ainda não sabem, se deve aos estudos para prestar ENEM e vestibulares federais. 
Para as pessoas que não participam da minha "vida virtual" esta é a prioridade agora. 
Mas eu afirmo que não. 
Minha mãe sabe que não, inclusive, ela mesma me incentiva a não abandonar minhas revisões e minhas criações ainda não finalizadas. E me dá a maior força com o blog, desde o anterior.
Meus blogs foram criados com o intuito de divulgar minha carreira literária que, para muitos pode ser utopia, não para mim.



Eu tenho como objetivo publicar um livro e não como um "delírio" ou algo que "eventualmente" possa acontecer. 
Meu objetivo de publicar um livro é tão importante quanto ao de ingressar em uma universidade. As duas coisas são prioridades na minha vida e isso fica evidente até nos contatos ricos que estão se fazendo presentes, já que a blogosfera deixou há tempos de ser tão somente um veículo de divulgação artística.
No meu cronograma de estudos estão incluídos os horários que devo me dedicar à vida literária também, afinal, não deixa de ser um treino prazeroso da Língua Portuguesa. 
Minhas expectativas quanto à minha carreira literária é igualmente à universitária: não sei se ocorrerá este ano, só sei que não vou desistir.
Acredito que chegará um dia que as pessoas não farão mais esse separatismo e terão consideração tanto pelos que estão ao seu redor fisicamente quanto aos que estão do outro lado da tela, em algum lugar deste ou de outros países, com os pensamentos conectados entre si.

Mi F. Colmán



Nota: Algumas pessoas que me tem como contato no Facebook talvez perceberam que possuo dois perfis. 
Bem, eu quis separar um perfil "virtual" com um "pessoal". 
Hoje acho pura idiotice e só não deleto o "pessoal" (que é o mais impessoal) porque estou em um nível bem alto no Trivia Crack (aplicativo o qual vale um post adiante) e não quero perdê-lo.

sábado, 14 de março de 2015

Ser diferente é (deveria ser) normal


Inúmeras vezes escutamos e repetimos a típica frase: "Ser diferente é normal". Porém, quantas vezes em nossas vidas, a colocamos sinceramente em prática?
Uma ONG francesa teve a iniciativa de desafiar as pessoas e o limite de seus preconceitos. A atividade consistia em pais, juntamente com seus filhos, assistirem a um vídeo com diversas pessoas fazendo caretas e imitá-las.
Até aí tudo bem.
Ou até aparecer uma criança com deficiência múltipla.
O nome do vídeo é The Eyes of a Child, ou seja, Os olhos de uma criança, que nos incentiva a enxergar o mundo com a naturalidade de uma criança.
E evidencia, através do vídeo a seguir, que preconceito não é natural, realmente se adquire.


Mi F. Colmán

segunda-feira, 9 de março de 2015

Tag: I love my blogger


O Rivotril com Coca-Cola recebeu a primeira tag e veio da amiga fiel Lucia Haddad (Lu para mim) do Haddad´s House, mas ela tem vários outros blogs que são super interessantes e vale a pena conhecer.
Acredito que não poderia receber uma tag com um nome mais sugestivo, afinal, estou realmente amando este novo blog.

Mas vamos às regras:

1 Responder as perguntas da TAG.
2. Convidar de 8 a 11 blogs com menos de 500 seguidores... de qualquer gênero (alimentação, arte, beleza...) para responder à tag.
3. Colocar o selinho da TAG ou criar uma
4. Citar o blog de origem da TAG (Blog Papo de Estrelas)
Linkar quem indicou. Linkada.

1. O que lhe incentivou a ter um Blogger?

Interesse. Sou uma pessoa interesseira.
Sério. rs.
Eu criei meu primeiro blog há sete meses atrás, o Coluna da Mi por puro interesse de divulgação literária, afinal, pretendo futuramente (espero que um futuro bem próximo) publicar pelo menos um de alguns de meus livros.

2. Qual a importância do Blogger para você?

Hoje eu diria que tem muito mais importância do que quando eu criei o anterior. Mas fui percebendo isso já por lá, onde acabei me "entrosando" tanto com as pessoas e criando posts que sinto que nem deveria ter escrito, tão à vontade me senti. Aliás, nunca me senti tão à vontade para mostrar meus escritos a tantas pessoas como aqui no Blogger. No Orkut era um grupinho, dentro de comunidades fechadas, que postávamos nossas fanfics e séries virtuais. Tinha também alguns fóruns especiais para isso, mas com um número limitado de pessoas, o que costumamos chamar tipicamente de "panelinhas". No Blogger percebo que meus textos têm alcance de diversos países, pessoas que nem imagino como vieram parar aqui. Pessoas que talvez nem tenham vínculo com blogs, estejam apenas em busca de alguma informação.

3. Quem sempre lhe indica em várias ocasiões?

Poucas pessoas. A que mais me indicou foi o Edilson Lopes do Mente Abertta, seguidor do blog anterior.

4. Qual o assunto do Blogger?

É um blog literário e de crônicas que abordem qualquer assunto que eu considerar interessante, tanto para mim quanto para quem lê. 

5. Como você se sentiu ao ter o primeiro comentário? 

Eu diria os primeiros. Eu me senti muito contente em saber que havia pessoas que não estavam presas ao blog anterior e sim, aos meus textos. Foi muito satisfatório saber que elas iriam a qualquer lugar onde eles estivessem.

6. Quantos comentários você tem em geral no momento?

Por enquanto 75. Mas eu digo que é menos que isso, porque não posso contar com as minhas respostas. Também não posso dividir por dois por não ter ainda respondido aos comentários de dois posts anteriores.
Eu, particularmente, acho um número considerável. O blog é super novo, faz 15 dias hoje. 

7. Qual a meta desse ano para o seu Blogger?

Eu adoraria dizer o anúncio do meu primeiro livro publicado, mas vamos ver...

8. Até onde você deseja chegar com o seu blog? 

Não sei responder a essa pergunta. Não me ligo muito em seguidores e, ultimamente, nem em número de comentários, mas à qualidade dos mesmos. Recebia tantos comentários no blog anterior e muitos tão nada a ver...
Não sou o tipo de blogueira que pretende ser uma Nina Secrets, nem nada parecido.
Quero apenas ter um espaço legal onde pessoas legais venham e comentem, onde possa conhecer novas pessoas, novas vidas, novas ideias. É isso.

Indico a tag aos blogs:

1. Reflexões Rápidas 

2. Sonhos e Poesia

3. Eu por mim mesma... Meus rabiscos 

4. Jardim da Lucinha (tem mais de 500, mas quem disse que eu não quebro regras?) 

5. Café das Amigas 

6. Cacareco´s 

7. Mundo de Explendora 

8. Meus Devaneios Escritos 

9. Mineirinho

10. Espiritual-Idade

11. Sentimentos Alados

A quem não curte tags, não precisa se desculpar. Basta declinar.

Mi F. Colmán

sexta-feira, 6 de março de 2015

Releituras


Fazer releituras de textos escritos.
Pelo menos comigo, isso acontece com frequência.
E acredito que com a maioria das pessoas. 
Não chega a ser uma questão de perfeccionismo (embora eu me reconheça um tanto perfeccionista e alguém que se cobra muito), mas de maturidade intelectual.
Basta compararmos uma redação que escrevemos no Ensino Fundamental com as redações que escrevemos hoje.
Esta postagem é um breve aviso aos que chegaram até aqui e aos que eventualmente chegarão.
O blog Rivotril com Coca-Cola, além dos textos inéditos, fará algumas releituras de antigas postagens que penso, não podem ser deixadas para trás, da extinta Coluna da Mi.
Desta forma, as pessoas que conheciam a Coluna (a maioria) poderão reler os textos numa versão melhor e os que não conheceram os antigos posts, passarão a conhecê-los.
Claro que será passado um bom filtro. 
Relendo os rascunhos, percebo que muitas coisas que publiquei eram totalmente dispensáveis. 


#QuemNunca? rs.

Prometo com este espaço, tentar proporcionar leituras de melhor qualidade.

Grata pela compreensão.


Mi F. Colmán


domingo, 1 de março de 2015

Layout Free para Blogger - Uma novela (mexicana)














A pessoa resolve mudar de casa, começa uma pequena reforma e já recebe os visitantes, embora a casa não esteja ainda como desejaria que estivesse.
Tem consciência que precisa de uma reforma, porém, sabendo-se nômade por excelência, pensar em investir em materiais de construção caros e que é o básico que quase todos têm, não tem o menor cabimento e precisa agir por conta própria com o que possui.
Assim foi com o layout do Rivotril com Coca-Cola.
Não sou de falsa modéstia e afirmo que adorei o cabeçalho bagunçado e paradoxo que criei (não trocaria por nada e este foi um dos meus grandes "problemas"), assim como a primeira postagem, no domingo passado.
No entanto, como sou detalhista, havia coisas que não estavam do meu agrado. Uma das principais era a fonte. Quando comecei a receber os primeiros comentários (by the way, muito legais e que me deixaram imensamente feliz, obrigada!) fiquei decepcionada com aquela fonte em miniatura.
Como (ainda esse ano!) pretendo fazer um curso de programação, entendo pouco de linguagem xtml, entretanto, como sou autodidata, do mesmo jeito resolvi me arriscar e pelo menos o básico fui tentando compreender. Tentava mudar e ficava terrível, isso quando mudava alguma coisa.
Decidi então, recorrer aos layouts free...
Caros leitores, no decorrer desta semana à procura dos layouts free só uma frase me vinha à mente: "O que é que essas pessoas têm na cabeça?"
É... Tipo... Não dá para fazer um layout "normal"? Precisa ter um tema especifício que quando não é literário é fútil, mas GERAL precisa ter chamativos tons de cor-de-rosa? De onde as pessoas tiram a ideia de que toda blogueira vai querer aquelas coisas cor de rosinhas por todo o seu blog???
Lembro que quando criei o Coluna da Mi, apesar do layout não ter muito a ver com minha personalidade (tenho trauma de alaranjado, mas isso é história para um post inteiro), pelo menos não tinha nada rosado ofuscando as minhas vistas! Mas de sete meses para cá, percebo que a coisa tem piorado.
E a frase: "O que é que essas pessoas têm na cabeça?" foi complementada com um "para pagar por isso?" no momento que acidentalmente fui caindo nos layouts pagos.
É tudo o mais do mesmo! Florzinha, rosinha, borboletinha...
Sinceramente, acho que todas estas coisas cabem em alguns poucos blogs, mas tornar um padrão é a maior estupidez blogosférica.
E quanto aos caras? Ao pensar neles deu "vontade de chorar!" É sério. Fiquei penalizada. Os coitados só tem a opção Blogger mesmo para ir personalizando com cores de gente normal, caso não tiverem grana para bancar um ao seu estilo.
Mas voltando ao meu layout, nessa noite de sábado que resolvi pegar para valer e trabalhar em cima dele. Em cima literalmente do layout de uma menina cuja atribuição está aí abaixo, acreditem, este layout era mais que meigo! rs.
Era um layout bem "menininha", mas o que eu gostei é que o máximo do perto do maldito cor-de-rosa é esse pink forte aqui nos títulos dos gadgets. No demais, fui transformando toda a "meiguice" no que aqui está.
Agora que resolvi em duas horas o que senti a necessidade de resolver a semana inteira, posso respirar aliviada e dar atenção ao meu e, óbvio, aos vossos blogs.
Deixa eu aprender a trabalhar nisso aqui que farei coisas bem interessantes para blogueiras como eu, que sei, existem.
Porque foi uma novela... E das mexicanas!

Mi F. Colmán

Nota: Muito em breve TODOS os comentários serão respondidos, as visitas retribuídas e os blogs dos seguidores estarão entre os recomendados aí na lateral. É que sou desse jeito, enquanto não consigo as coisas como quero, não sossego e acabo não focando em outros detalhes do negócio. Na blogosfera não é diferente.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Enquanto eu estiver por aqui e me for possível, escrever continuará sendo a medicação mais forte e a terapia mais eficaz para a minha sobrevivência". Mi F. Colmán

Quem ri por último, Rivotril

Quem ri por último, Rivotril
Mais um Rivotril. O restinho dos ratos gritando somem. O restinho das pombas macabras somem. O restinho dos corvos somem. Todos para longe. Lá vai a mulher que assusta. Tati Bernardi.