02/11/2018

Eu não queria falar sobre o dia de hoje



Olá gente! A pessoa “finada” aqui ressuscitou. Então... Não vai ser tão fácil assim vocês "se livrarem" de mim. Sem trocadilhos de mau gosto, sou um fantasma que vez em quando tem surgido e assombrado a blogosfera.
Na verdade, eu tenho tantas, mas tantas coisas para contar! Tantas realizações, conquistas, revelações, resenhas de séries e livros e também desabafos. É impressionante como aconteceu justamente o contrário do que eu imaginei que aconteceria ao entrar para a universidade. O meu gosto pela leitura e escrita despencaram consideravelmente nesses anos de vida acadêmica. Sabe aquilo que condenamos de tornar a leitura um fardo para as crianças? Bem... a universidade não tem sido diferente. Aliás, nada que é imposto e possui prazos pode ser prazeroso, não é mesmo? No entanto, me desculpem divagar, isso é assunto para outro post.
Vale ressaltar que surgiu em minha vida uma orientadora incrível que me trouxe "de volta à vida" ao mundo literário e até mesmo me incentivou a escrever sobre o assunto em meu TCC que, já estava "decidido" ser sobre Educação Inclusiva e Múltiplas Inteligências. E é graças a motivação que ela me deu que estou aqui, diante da tela, escrevendo novamente para vocês depois de um único post esse ano. Se gostam dos meus escritos, agradeçam à doutoranda em Educação que só poderia trazer o Saramago em seu sobrenome.
É... de fato. Estou postergando falar do dia de hoje não?
Hoje, 02 de novembro, aqui no Brasil, é um dia reservado para lembrar daqueles que partiram.
Muitas vezes afirmei que esse dia era como uma "comemoração" do fim da vida, mas na verdade, não há comprovações científicas se é realmente um fim ou um novo ciclo. Como diz o ditado "Ninguém nunca voltou para contar", rs. Eu sei que espiritualistas, como eu, discordam.
E esse pensamento espiritualista, apesar de nos trazer certo acalento, acredito que não amenize a dor de nossos lutos como alguns imaginam, afinal, separações, sejam de que modo for, são sem exceção, extremamente dolorosas.
Hoje é o dia de recordar meu avô que sempre foi a grande inspiração da minha vida, o qual carrego com honra seu sobrenome por opção e que o câncer o levou.
Um amigo que foi levado pelo mesmo motivo.
Três que desistiram da vida aqui na Terra e conseguiram.
Outro cheio de vida que morreu em um trágico acidente de carro...
Por mais que tenhamos consciência que a vida é um emaranhado de chegadas e partidas, nunca estamos preparados para as últimas. Aliás, morte, luto, separação são temas que evitamos abordar no dia a dia;
Evitamos porque tememos. Porque não queremos aceitar a ideia de que essas pessoas que estão agora conosco, abraçando, dançando, cantando, discutindo, brigando, bebendo, comendo, sorrindo podem não estar mais em presença amanhã e delas teremos apenas as lembranças.
É... eu não queria MESMO falar sobre o dia de hoje, talvez muitos de vocês tampouco queiram ler, ouvir, escrever ou pensar sobre isso.
Porém, como disse, é inevitável.
Deixo aqui o trecho da música Dark Paradise de uma de minhas cantoras preferidas e que reflete meu pensamento sobre como me sinto sobre os lutos que enfrento.

"And there's no remedy for memory your face
Is like a melody, it won't leave my head
Your soul is hunting me and telling me
That everything is fine
But I wish I was dead". Lana del Rey

(E não há remédio para memória, seu rosto
É como uma melodia, ele não vai sair da minha mente
Sua alma está me assombrando e me dizendo
Que tudo está bem
Mas eu queria estar morta).


Homenageiem seus mortos, ao seu modo. Mas o mais importante: estejam ao lado dos vivos, em especial daqueles que mais amam e que sintam que precisam de vocês. Esse é o meu pedido de Dia de Finados.

Millie Colmán



I´m bleeding, quietly living I´m living, quietly bleeding - Dominik
 renata massa