08/03/2019

HOMENAGEM AO DIA INTERNACIONAL DA MULHER


Ele nunca esquecera um 08 de março. A dona da floricultura deixava pronto o ramalhete de flores que ela mais gostava, para que ele pegasse ao fim do expediente de trabalho. Mesmo aos finais de semana, ela nunca deixaria de receber suas flores prediletas. Como enfatizava com orgulho ao entregá-las à esposa. Em um papel de seda rosa ou decorado, enlaçado à fita de cetim e bem ornamentados a mulher recebia as flores, o perfume delas...E os espinhos. Potentes espinhos, que mesmo depois de murchas não morriam com elas. Estavam cravados em cada centímetro de sua memória. Aprofundados em sua alma.
Ela jamais esquecia 08 de março. Ele fazia questão de sempre lembrar todas as datas memoráveis. E com o passar do tempo o esposo aprimorou na entrega do esperado ramalhete. Até que na penúltima vez com os espinhos vieram as balas certeiras. Mas ele se superou ao entregar o último buquê. Os pregos no caixão dela, a terra que socava a madeira e a última fresta de luz que se apagou com um granulo terroso encerrou a entrega daquelas flores malditas. De onde estava, por toda eternidade, ela odiaria o cheiro de flores misturado a nauseante dor entregue à muitas parabenizadas mulheres no dia 08 de março...

Adriana Ramiro

Certamente, para as pessoas que compreendem o real motivo do Dia Internacional da Mulher e que, infelizmente, quase tudo que vem disto costuma ser banalizado, sabe que hoje não é um dia de flores. Mas posso dizer que é um dia de MULHERES, como todos os dias. É um dia importante na história, contudo, não deve se resumir também aos protestos e ativismos nesta única data. Hoje considerei que nada como homenagear uma mulher não pelo fato de ela "gostar de receber flores e mimos porque ela é delicada por natureza e blábláblá", enquanto continuam sendo mortas pelas mesmas mãos sujas do sangue da cor das tantas rosas que lhes são entregues. Nada como homenagear uma mulher não pela sua beleza física (não que ela não possua!), mas pelo seu talento, sua inteligência e sua garra e isso, conhecendo a Dri como conheço, sei que ela tem de sobra.
Dri, parabéns, não pelo Dia Internacional da Mulher em si, mas por você ser você, essa escritora, professora, mulher incrível que é. E por ter escrito um conto tão fascinante que aborda relacionamentos abusivos, os quais tantas pessoas ainda naturalizam, até mesmo as próprias escritoras, mulheres, em seus romances, reproduzindo algo que foram condicionadas desde tenra idade, que apanhar e perdoar é normal, que relações abusivas são normais. Não, não são e se não combatidas a tempo levam a um único destino: o caixão e as flores mencionadas na breve, porém forte, prosa de Adriana Ramiro. E quando não do corpo, da alma, e-ter-na-men-te. Você é incrível. Vocês mulheres, todas, cada uma é incrível ao seu modo. Não permitam que ninguém tente lhes tirar o brilho e fazer parecer o oposto. E acima de tudo, estejam sempre umas pelas outras. 

Millie Colmán



Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Não compartilho meus pensamentos achando que vou mudar a cabeça de pessoas que pensam diferente. Compartilho meus pensamentos para mostrar às pessoas que já pensam como eu que elas não estão sozinhas". Autor desconhecido

"Ser feliz é saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta". Augusto Cury

É muito bom saber que gostou da postagem e irá comentar.
A moderação de comentários está ativada e tratarei de responder apenas o necessário, se houver.
Se tiver um blog, deixe a url no final do comentário para que possa encontrá-lo.
Comentários tais como ofensas, discriminação, divulgação de sorteios, de blogs ou que não tenham a ver com o conteúdo da postagem não serão publicados. Grata.

Mi F. Colmán


I´m bleeding, quietly living I´m living, quietly bleeding - Dominik
 renata massa