02/11/2018

Eu não queria falar sobre o dia de hoje



Olá gente! A pessoa “finada” aqui ressuscitou. Então... Não vai ser tão fácil assim vocês "se livrarem" de mim. Sem trocadilhos de mau gosto, sou um fantasma que vez em quando tem surgido e assombrado a blogosfera.
Na verdade, eu tenho tantas, mas tantas coisas para contar! Tantas realizações, conquistas, revelações, resenhas de séries e livros e também desabafos. É impressionante como aconteceu justamente o contrário do que eu imaginei que aconteceria ao entrar para a universidade. O meu gosto pela leitura e escrita despencaram consideravelmente nesses anos de vida acadêmica. Sabe aquilo que condenamos de tornar a leitura um fardo para as crianças? Bem... a universidade não tem sido diferente. Aliás, nada que é imposto e possui prazos pode ser prazeroso, não é mesmo? No entanto, me desculpem divagar, isso é assunto para outro post.
Vale ressaltar que surgiu em minha vida uma orientadora incrível que me trouxe "de volta à vida" ao mundo literário e até mesmo me incentivou a escrever sobre o assunto em meu TCC que, já estava "decidido" ser sobre Educação Inclusiva e Múltiplas Inteligências. E é graças a motivação que ela me deu que estou aqui, diante da tela, escrevendo novamente para vocês depois de um único post esse ano. Se gostam dos meus escritos, agradeçam à doutoranda em Educação que só poderia trazer o Saramago em seu sobrenome.
É... de fato. Estou postergando falar do dia de hoje não?
Hoje, 02 de novembro, aqui no Brasil, é um dia reservado para lembrar daqueles que partiram.
Muitas vezes afirmei que esse dia era como uma "comemoração" do fim da vida, mas na verdade, não há comprovações científicas se é realmente um fim ou um novo ciclo. Como diz o ditado "Ninguém nunca voltou para contar", rs. Eu sei que espiritualistas, como eu, discordam.
E esse pensamento espiritualista, apesar de nos trazer certo acalento, acredito que não amenize a dor de nossos lutos como alguns imaginam, afinal, separações, sejam de que modo for, são sem exceção, extremamente dolorosas.
Hoje é o dia de recordar meu avô que sempre foi a grande inspiração da minha vida, o qual carrego com honra seu sobrenome por opção e que o câncer o levou.
Um amigo que foi levado pelo mesmo motivo.
Três que desistiram da vida aqui na Terra e conseguiram.
Outro cheio de vida que morreu em um trágico acidente de carro...
Por mais que tenhamos consciência que a vida é um emaranhado de chegadas e partidas, nunca estamos preparados para as últimas. Aliás, morte, luto, separação são temas que evitamos abordar no dia a dia;
Evitamos porque tememos. Porque não queremos aceitar a ideia de que essas pessoas que estão agora conosco, abraçando, dançando, cantando, discutindo, brigando, bebendo, comendo, sorrindo podem não estar mais em presença amanhã e delas teremos apenas as lembranças.
É... eu não queria MESMO falar sobre o dia de hoje, talvez muitos de vocês tampouco queiram ler, ouvir, escrever ou pensar sobre isso.
Porém, como disse, é inevitável.
Deixo aqui o trecho da música Dark Paradise de uma de minhas cantoras preferidas e que reflete meu pensamento sobre como me sinto sobre os lutos que enfrento.

"And there's no remedy for memory your face
Is like a melody, it won't leave my head
Your soul is hunting me and telling me
That everything is fine
But I wish I was dead". Lana del Rey

(E não há remédio para memória, seu rosto
É como uma melodia, ele não vai sair da minha mente
Sua alma está me assombrando e me dizendo
Que tudo está bem
Mas eu queria estar morta).


Homenageiem seus mortos, ao seu modo. Mas o mais importante: estejam ao lado dos vivos, em especial daqueles que mais amam e que sintam que precisam de vocês. Esse é o meu pedido de Dia de Finados.

Millie Colmán


27/03/2018

Ingratidão. Como lidar?



Há um tempo que tenho guardado este post e acredito que este talvez, seja o momento mais propício em publicá-lo. É... Semana Santa, aquele momento que muitos cristãos católicos fazem reflexões sobre o perdão, mas a real é que a gente precisa ser honesto consigo mesmo: nem sempre é fácil perdoar. Ou ao menos não sentir mágoas, aquela tristeza por ter feito algo de bom para alguém e receber em troca a indiferença, grosseria ou até mesmo algo mais grave: aquele ser que quando mais precisou de ti e tu ajudou, praticamente ajudou a salvar a sua vida te apunhalar pelas costas, caluniar, tentar puxar teu tapete, te humilhar, enfim, te prejudicar de algum modo.
Eu, particularmente e, ciente de que não sou exclusividade, já tive que lidar bastante com a popular ingratidão. Sabe, você confiar, se doar para uma pessoa e depois ela fazer de tudo para te prejudicar? Admito, senti ódio (sinto de alguns ainda, não sou nada good vibes). Admito, não sou uma pessoa do tipo perdoadora (nem mesmo quando professava a fé cristã) e logo depois da ira, me vem uma tristeza muito grande, uma ferida difícil de cicatrizar.
No entanto, refletindo sobre os fatos e parando para pensar exatamente acerca desse tema me veio a pergunta: “Por que nos importamos tanto com a ingratidão?” Eu mesmo me vi perguntando o porquê eu senti tanto se, naquele momento de desespero que dei o máximo de mim para ajudar aquelas pessoas, não consegui pensar em nada além de... ajudá-las, tentar resgatá-las.
E o fato de terem aceito, talvez já tenha sido um bom ato da parte delas, mesmo que egoísta. Porque meus caros, há gente que pode estar na merda, mas é tão orgulhosa que não aceita ajuda de ninguém. Ou seja, se ela aceitou e retribuiu da pior forma, aí é com ela, para nós se torna, ou pelo menos deve se tornar, irrelevante. Porque na MINHA consciência, o apoio, a ajuda devem ser atos genuínos. Apoiar pessoas que nos eram caras em seus momentos de dor, desespero, não deve ser uma permuta. É claro que não há nada mais confortante do que uma pessoa grata, contudo, não é algo que tenhamos autoridade para impor. Não devemos ajudar as pessoas criando expectativas, pensando em como elas agirão depois quando estiverem bem. Devemos pensar que fizemos aquilo que acreditávamos ser o correto e não há nada mais gratificante do que isso: Sermos nós mesmos, em nossa mais pura essência.
Óbvio que não estou me referindo a qualquer tipo de relação abusiva (sim, há amizades extremamente abusivas), desses seres (nada) humanos devemos nos afastar completamente e, se não der para evitar o convívio, procurar manter o máximo de distância possível.
Não estou aqui pregando para se doarem e se doarem e aceitarem a ingratidão como algo absolutamente normal e se tornarem verdadeiros capachos de manipuladores. Esses daí, devemos colocar em seus devidos lugares que seja bem longe de nossas vidas.
Só estou dizendo que não deem, por favor, o poder a essa gente de matar a empatia que existe em vocês. Sempre haverá alguém que saberá, não retribuir, mas ser luz para ti independente do que tenha feito e com a qual poderá contar, afinal, a vida é uma constante Lei do Retorno e ciclos das voltas que o mundo dá, demorados ou não.
E, meus caros, estejam certos, só pessoas que são luz é que tiveram que provar do gosto amargo da ingratidão em suas vidas. 

Mi F. Colmán


Não posso sair daqui sem antes agradecer o carinho de sempre da linda amiga Chica, a Marina e o Toninho que além de me apoiarem e me desejarem tudo de melhor neste 2018, quero que saibam que os desejos são recíprocos e que pode não parecer, mas lhes tenho eterna gratidão por estarem sempre aqui por mim.





I´m bleeding, quietly living I´m living, quietly bleeding - Dominik
 renata massa