01/07/2015

01 de Julho - Como vão as suas metas e expectativas?


Estou certa de que hoje, o primeiro dia do resto deste ano, seja o momento apropriado para fazer esta pergunta. Seja pelo fato de (talvez) ainda dar tempo de correr atrás do prejuízo ou para aprender a não criar metas praticamente impossíveis de se concretizar.
Hoje é um dia de reflexão para quem traçou metas no início de 2015.
Uma de tantas das psicólogas que tentaram praticar psicoterapia comigo (e se lascaram, hehehe) me ensinou a criar metas, com prazos estipulados e tudo. E por um bom tempo fui uma pessoa de metas. 
O resultado: deu em merda.
Aliás, percebo que sempre que se criam muitas metas, são criadas também enormes expectativas e frustrações.

"Estabeleço metas realistas e mantenho o foco nelas. Um passo de cada vez. Não consigo imaginar nenhuma outra maneira de realizar algo.” Michael Jordan.

Eu nunca entendi direito metas realistas e percebo que somente agora estou aprendendo a lidar com elas.
Este ano em especial, criei um cronograma de estudos perfeito: 8 horas por dia + as 4 horas de cursinho noturno + 1 hora após o cursinho para fazer a revisão das matérias. Blogs e Literatura somente aos domingos ou feriados e... 
Claro, deu em merda.
Funcionou nas primeiras semanas. Até perceber que estava exausta, irritada, sem me alimentar direito, sem tempo para as pessoas que amo, com concentração baixa e assimilando bem pouco do conteúdo estudado. 
Óbvio, não é o meu ritmo. 
Não estou estudando para uma vaga em Medicina na Federal para ter um cronograma pesado como este. Aliás, não estou sequer criando expectativas com relação a entrar em uma faculdade ano que vem com o ENEM e vestibulares que pretendo prestar, então... pra que tanto?

















Não posso e não quero viver com esta carga toda. Deixei minha família e meus amigos a par da situação. Estou dando o melhor de mim, embora pudesse dar mais ainda. Porém, como procrastinei janeiro e fevereiro todos e a "Tia Dilma" não está dando moleza para a Educação (vide a situação FIES), encararei os vestibulares e particularmente o ENEM (que até onde sei sempre foi em novembro, nos "comeram" um mês marcando as provas para outubro este ano) com uma meta realista: como uma treineira. 
Se der certo, ótimo, ficarei muito feliz. Se não der certo, o mundo não vai acabar e será das outras vezes. 
Sim, vezes. Não penso que em minha vida as coisas boas possam ter apenas uma chance de acontecer, ciente de que poderei tentar várias. Com isso, ganha-se experiência.
Não traço mais planos, seja de estudos, de viagem e jogo fora a ideia autocrítica de que tudo depende de mim. Pessoal, nem tudo que acontece em nossas vidas depende da gente! Muitas vezes precisamos do aval de um outro alguém, precisamos uns dos outros ou de algumas circunstâncias. Vamos viver o momento presente e deixar o fardo mais leve.
Parando para refletir, este ano foi o ano que proferi com veemência e ira a frase: "Nunca mais planejo nada!" devido a uma viagem de férias de julho que planejei desde o início do ano e não deu certo por conta de uma séria infecção no ouvido que me fez adiá-la. Não dá para viajar de avião nestas condições. 
Viram que a viagem não dependia só de mim? Minha (falta de) saúde repentina está aqui para confirmar isto.
Mas quer saber? Não é este infortúnio que irá destruir minhas férias. Vou viajar para cidades próximas onde aguento poucas horas de ônibus com Dramin, ir ao cinema, estamos combinando algumas coisas entre amigos do cursinho que também não poderão viajar, vamos comer muitas roasted potatoes picantes, tomar chopp, dar risadas, ter as férias que merecemos ter, dentro de nossas possibilidades. Enxergar as possibilidades, ver as coisas sobre outro prisma é que faz toda a diferença em nossas vidas.
Se paro para refletir nas coisas incríveis que aconteceram comigo até agora em 2015, percebo que nenhuma delas foi planejada. 
Passei com 90% de aproveitamento em um curso de Assistente Administrativo que me inscrevi por impulso e mal estudei. Tive uma noite show e inusitada na quarta-feira santa (vejam, quarta-feira santa! Se fossem metas traçadas com certeza a Páscoa seria a data escolhida), comecei "do nada" a escrever uma nova obra gótica há umas madrugadas atrás e que tenho certeza que agradará a muitos que curtem o gênero. Ontem mesmo recebi um convite que me deixou lisonjeada de uma blogueira veterana que reconheceu meu trabalho e nada como ter o trabalho reconhecido. Comprei coisas que não planejava comprar e estou muito satisfeita com todas elas, ganhei um sorteio (milagreeeeeeeeeeeeee!!!), fui impactada com a revelação de uma colega (colega, não amiga!) que se sentiu à vontade para desabafar um segredo inconfessável, demonstrando que passo às pessoas a pessoa de confiança que sou, enfim... Estas são só algumas das tantas outras coisas boas que me aconteceram nestes poucos seis meses e que tenho profunda gratidão.
Tudo, tudo sem planejamentos ou expectativas.

Trace suas metas se desejar, tenho certeza que muitos já o fizeram, mas analise-as se não são exageradas como o meu cronograma estudantil. Não tenha medo de voltar atrás. Não tenha medo de mudar de ideia ou do que for preciso mudar.




















"A vida é fácil, difícil são as expectativas que você cria para ela". Willian Brito 

Não estou aconselhando que se viva a esmo, mas com a mente mais desfocada do passado e do futuro e mais focada no presente que, se não fosse especial, não levaria este nome. Frazesinha clichê da porra mas que faz sentido.

Meteu o pé na jaca na dieta estipulada? Uma pessoa que você jamais imaginava te decepcionou? Algo que planejou simplesmente não tem como ser feito agora? Alguma coisa está te desanimando? Simplesmente...
















Não tenha medo de viver. Simplesmente viva. É no instante do "de repente", ou seja, quando menos se espera, que as coisas na vida dão muito certo. E não na ponta do lápis.


Mi F. Colmán

I´m bleeding, quietly living I´m living, quietly bleeding - Dominik
 renata massa